Era tão bom que às vezes nem parecia que estava em aula

/, Laudimia Trotta, Memórias/Era tão bom que às vezes nem parecia que estava em aula

Era tão bom que às vezes nem parecia que estava em aula

Por Liliane da Silva (FE-UFRJ)

Hoje vamos conhecer um pouquinho da história de Ana Paula, ex aluna da Escola Municipal Laudímia Trotta. A escola é localizada no bairro da Tijuca, Zona Norte da Cidade do Rio de Janeiro. Foi construída a partir de doação de um terreno realizada pelos herdeiros do Coronel Antônio Basílio. O intuito da doação era para que fosse construída uma escola pública naquele local. Em 28 de dezembro de 1966 a Escola Municipal Laudímia Trotta foi inaugurada. Ana Paula estudou de 2006 até 2014 nesta escola. Em sua conversa com a gente, ela nos contou sobre a relação de carinho e acolhimento que vivenciou nos anos em que lá estudou. Em suas memórias estão momentos de alegria e companheirismo com os amigos, como por exemplo nesta passagem da entrevista:

Eu já  ganhei festa surpresa na escola, meus amigos iam fazer no último tempo de aula, só que eu tive que sair mais cedo pra ir no médico, aí fizeram no recreio. Fiquei confusa porque a gente não podia entrar na sala durante o recreio, depois que o sinal tocava a gente tinha que ficar no pátio, a inspetora era bem exigente. Mas nesse dia uma amiga me puxou pelo braço, passamos pela inspetora e ela não falou nada, me deu até um sorrisinho. Quando entrei a sala estava toda enfeitada, cheia de balões, bolo, docinhos, refrigerante, meu amigos gritaram “SURPRESAAA” e eu fiquei toda feliz.

Comentários:

Este trecho da entrevista nos faz pensar em como a escola é um importante espaço de desenvolvimento de amizades, de construção de lembranças e de afeto. Afeto esse que também pode ser construído entre os alunos e os professores, como nos conta Ana Paula:

Uma professora que eu nunca esqueço é a Carmen, tive aula com ela no Fundamental 1. A mulher é maravilhosaaaaaaa, aprendi muito com ela. Não tenho uma história específica com ela, acho que cada dia era muito bom, sabe? Aprender com ela, passar a manhã, às vezes nem parecia que a gente estava em aula.

As relações construídas no cotidiano da escola são tão fortes que podem influenciar até mesmo na escolha futura da profissão. Ana Paula é estudante de Pedagogia e acredita que foi bastante influenciada pelas experiências escolares que teve no momento da sua escolha profissional.

(…) se existe alguma parte de mim que quer ser professora é porque professores como a Carmen me inspiraram, fazia o trabalho com amor, gostava de estar em sala de aula. Não me vejo trabalhando na educação só para esperar o salário no fim do mês, ainda mais na rede pública que você não sabe se o salário vai chegar.

Outra importante lembrança de Ana foi um passeio ao Planetário. Ela nos disse:

Meus anos de escola não foram os mais animados, não. Mas lembro com carinho de um passeio no Planetário, clássico né, mas foi muito bom. A escola quase não fazia passeios por conta de verba e burocracia, então esse passeio foi muito especial. Minha turma foi todinha, naqueles ônibus de turismo, achamos chique a beça. Lá a gente olhou o céu, fizemos piquenique na área externa. Nem parecia que era aula e que teria trabalho depois sobre isso, de tão divertido que foi.

É interessante pontuar que uma das lembranças mais significativas de Ana Paula foi justamente uma aula passeio, prática tão valorizada pela corrente de pensamento escolanovista a qual Laudímia Trotta (personalidade que dá nome a escola de Ana) tinha proximidade. Mas quem foi Laudímia Trotta?

By | 2021-04-02T15:01:01-03:00 abril 2nd, 2021|a escola na cidade, Laudimia Trotta, Memórias|0 Comments

About the Author:

Leave A Comment